MENOS 25 MIL SERVIDORES NAS ESTATAIS: QUANTO MENOR O ESTADO, MAIS CHANCE TEM O BRASIL DE CRESCER

Por Sergio Pires 17/05/2019 - 10:09 hs

O novo governo brasileiro está enfrentando grandes batalhas, todos os dias, para mexer na estrutura putrefata do Estado. Como mudar uma situação em que cerca de 135 estatais, abrigando algo em torno de 455 mil empregados, incha ainda mais a obesidade mórbida da União,  custando aos cofres públicos bilhões de reais? E ainda, em muitos casos, dando sempre prejuízos, que tem que ser  cobertos com dinheiro público,  vindo do imposto pago pelo contribuinte? Há enorme resistência, em vários setores, mas principalmente de parte das entidades sindicais de servidores, que protestam contra a tentativa de reduzir em pelo menos 25 mil o número de empregados das estatais, somente neste ano de 2019. Uma série de medidas, incluindo o programa PDV (Demissão Voluntária) e aposentadorias de milhares de funcionários, podem ajudar a atingir a meta. A  diminuição do Estado, contudo, vai na contramão das teorias da esquerda brasileira, que, ao contrário, luta por um Estado cada vez mais enfronhado em todos os setores. É uma questão econômica? É sim. Mas antes de tudo, é uma questão ideológica. Como compreender que os  Correios, cujos serviços caíram drasticamente de qualidade nos últimos anos, tenham ainda 105 mil trabalhadores? Os Correios, a maior estatal do país, demonstram claramente como a estatização pode ser negativa: cada vez mais gente e qualidade cada vez menor.  

 

A Petrobras, hoje com 62 mil empregados, ainda está tentando voltar a crescer, depois de ser vítima de uma roubalheira histórica, comandada pelos governos petistas e seus aliados. Estatal é igual a corrupção? Claro que não! Mas quanto menos governo, menos chances de roubalheira. Há uma ala do governo que quer a privatização do maior número de estatais. Livrando o país de imenso custo, que, é claro, é bancado pelo contribuinte, em muitos casos. Por isso, não se deve desprezar os projetos de diminuição de tanta gente na nossa folha de pagamento. Nossa sim, porque somos nós que pagamos! Para se ter ideia, só os 8.700 empregados que os Correios quer ter a menos no final deste ano, significará uma economia anual aos cofres públicos de 73 milhões de reais. Claro que nem tudo é boa notícia e eventuais privatizações, obviamente, não darão certo como se planeja. Mas, quando se liberta o brasileiro contribuinte de despesas absurdas, como existem em alguma estatais (não em todas, é claro!), há que se comemorar. Haverá injustiças eventuais e erros, claro. Mas a verdade é uma só: quanto menos Estado, mais chances de o Brasil voltar a crescer. Será que a ala nefasta do Congresso; os sindicatos que podem ficar sem todo seu poder (caso as privatizações se ampliem) e a esquerda deixarão nosso país caminhar para a modernidade? Vamos esperar que a resposta seja sim.

 

  

 

 

 

CONSPURCOU É A PALAVRA

 

Uma pena que a mobilização pela valorização das universidades e das escolas federais tenha sido conspurcada e substituída por manifestações político/partidárias da derrotada esquerda. Em Porto Velho, bandeiras vermelhas no meio do grupo que gritava palavras de ordem, deixou claro que a intenção, na realidade, era outra. Uma das faixas era curiosa: "ELES morrem de medo de quem estuda"!. Eles quem, cara pálida? Não foi nos governos do PT que muitas das  universidades brasileiras viraram um local de consumo de drogas, sexo a céu aberto, desrespeito e vagabundagem? Não foi nos últimos governos que os cortes de verbas foram milionários, sem qualquer chiadeira dos que hoje dizem que "eles" temem quem estuda? Uma pena mesmo  que parte dos participantes dos protestos, perdeu uma boa oportunidade para se discutir a essência do ensino universitário do país, suas metas, seus problemas. E que tenha, em parte, os protestos se transformaram numa manifestação pequena, ainda mais em defesa de ladrões presos. Nosso Brasil, definitivamente, parece mesmo que não tem cura. A palavra correto é essa: conspurcou!

 

 

LAERTE COBRA DO DETRAN

 

Numa entrevista ao competente Arimar de Sá, na Rádio Caiari, essa semana, o presidente da Assembleia, deputado Laerte Gomes, voltou a criticar o Detran rondoniense. Chegou a afirmar que o diretor do órgão corre o risco de responder por improbidade administrativa, porque até agora não deu explicações sobre os  mais de 15 milhões de reais em diárias, gastos na administração anterior, mas que a atual precisa informar, mas ainda não informou, detalhadamente, à Assembleia. Disse ainda, sobre o Detran, que será mesmo criada uma CPI para fazer uma devassa no órgão e que os deputados vão lutar para que sejam cobradas taxas menores aos contribuintes. Segundo Laerte, o Detran rondoniense cobra alguma das taxas mais caras do país, citando, como exemplo, a questão da inspeção veicular. Laerte falou também sobre vários assuntos. Perguntado, comentou que o processo de impeachment contra o governador Marcos Rocha está "andando" e que serão seguidos todos os passos que determina a Constituição". Ele falou também sobre as relações do governo, afirmando apenas que "permanece em respeito mútuo", mas sem entrar em mais detalhes. Anunciou uma sessão itinerante do Parlamento durante a Rondônia Rural Show, que se realizará em Ji-Paraná e comentou outros temas, ligados às ações da Assembleia e do seu mandato, incluindo a questão do chamamento dos aprovados em recente concurso público.

 

 

JAQUELINE E AS PASSAGENS AÉREAS

 

A deputada Jaqueline Cassol está atuando em várias frentes. Em seu primeiro mandato, ela se envolve com as grandes questões nacionais, como os direitos das mulheres, mas, ao mesmo tempo, entra de sola em assuntos locais. Nessa semana, a pedido dela, houve uma reunião na Câmara Federal para tratar do absurdo custo das passagens aéreas para Rondônia e nossa região. Durante longa exposição, onde falaram mais de dez pessoas, representantes de todos os setores, destacaram-se o depoimento do representante das companhias aéreas, falando a linguagem que já se conhece: não há como diminuir preços de tarifas sem incentivos fiscais. Ou seja, as empresas querem que o governo banque um corte no preço das passagens. Gabriel Tomasete, que preside o Conselho de Defesa do Consumidor, foi um dos destaques no encontro na Câmara Federal. Criticou duramente a Anac, por estar "associada" ás empresas, contra os interesses dos passageiros. No final, Jaqueline protestou contra o que chamou de falta de respeito das companhias aéreas. "O consumidor está sendo enganado", disse ela. Trouxe o assunto para o debate, mas ao menos por enquanto, não há luz no fim do túnel para resolver esse absurdo custo das tarifas aéreas que pagamos.

 

AEROPORTO: MUITO LONGE DO IDEAL

 

O assunto, aliás, leva a outros questionamentos, relacionados com o sistema de transporte aéreo. Nosso aeroporto ainda é extremamente deficiente. Usando a pista que pertence à Base Aérea da Capital, o Jorge |Teixeira está longe de oferecer serviços de qualidade ao usuário. Os preços cobrados na ´praça de alimentação são abusivos; algum gênio decidiu que os aviões não podem serem vistos, já que cobertos pelo Sistema ELO, uma espécie de Finger, que leva o passageiro até a aeronave. Como não há um local para ver os aviões, o aeroporto perdeu sua atração para pessoas comuns, dessas que vão aos milhares em outros aeroportos para assistir pousos e decolagens. Isso sem falar no sistema de ar condicionado, que é ruim. Há anos. Também não há como internacionalizar o Jorge Teixeira, apesar de promessas, anúncios e juras, porque não tem alfândega nem posto da Polícia Federal instalado.  As empresas cortam os voos quando e como querem. Por exemplo: atualmente, já não há mais voos diretos para Rio Branco, saindo de Porto Velho. A Anac não faz nada. Só assiste, impassível. Afora as empresa regionais – como a RIMA – que prestam relevantes serviços ao usuário, estamos muito mal atendidos na questão de transporte aéreo. Até quando? Ninguém sabe...

 

 

O DESEMPREGO ENTRE OS JOVENS

 

O desemprego continua crescendo no Brasil. Não haverá solução, aliás, enquanto não forem implantadas reformas urgentes. Tem que começar pela da Previdência. Tem que se fazer uma ampla reforma tributária; há que se melhorar – e muito – a Reforma Trabalhista. Quem sabe se, com isso, se consiga sair desse poço sem fundo que uma sucessão de erros econômicos e de governos irresponsáveis nos colocaram. Em Rondônia os índices ainda são baixos, algo em torno de 9 por cento. Só estão melhores que nós, os gaúchos, com 8 por cento e Santa Catarina, com 7,2 por cento. Mas o Amapá contabiliza o recorde nacional, com mais de 20 por cento da sua população economicamente ativa, desempregada. A Bahia vem em segundo lugar com 18,3 por cento e nosso vizinho Acre em terceiro, entre os piores, também na mesma faixa. Há o que se comemorar por aqui? Há sim. Graças ao agronegócio, principalmente, demos um salto no emprego, principalmente no interior do Estado. O maior problema do desemprego ainda está em Porto Velho. E principalmente entre uma imensidão de jovens que querem, desesperadamente, um espaço no mercado de trabalho, mas que não o conseguem. Ainda temos vagas para especialistas, para quem tem curso universitário (apenas em determinadas áreas), mas para quem não tem especialização, a chance é perto do zero. Há empresas, apenas médias, com 200, 300 pedidos de emprego e currículos para analisar. Ela querem contratar, mas não podem, sob pena de quebrar, porque não suportariam pagar tantos impostos, taxas e direitos trabalhistas. Não há luz  no fim do túnel para essa gente que não consegue trabalhar. Ao menos até que o Brasil comece a mudar de verdade e não só em discursos vazios...

 

 

CANDEIAS: ELEIÇÃO EM SETEMBRO?

 

Meio dia. Esse o horário em que o Pleno do Tribunal Regional Eleitoral vai decidir sobre a eleição para escolha do novo prefeito de Candeias do Jamari. No meio da tarde, já se saberá se os desembargadores, membros do tribunal, vão acatar orientação do Ministério Público Eleitoral, que pede nova disputa na cidade ou se haverá alguma outra decisão. Pelo que se ouve nos bastidores, a tendência é que seja marcada para setembro a nova eleição, para escolha de quem vai concluir o mandato tampão de menos de dois anos, já que Luis Ikenohuchi, o vice que se tornou prefeito, com o assassinato de Chico Pernambuco, foi cassado pela Câmara de Vereadores. O agora prefeito interino, desde o final de fevereiro passado, é o então presidente da Casa, o vereador Lucivaldo Fabrício de Melo, membro da Democracia Cristã (DC), um dos tantos nanicos que inundam a política brasileira. Candeias vive numa efervescência há anos, até que política e noticiário policial se misturaram, com a morte brutal do prefeito eleito Chico Pernambuco. Seu vice, o empresário Luis Ikenohuchi, acabou se confrontando com a maioria dos vereadores e perdeu o mandato. Nomes como o ex deputado Lindomar Garçon e do ex deputado estadual Ribamar Araújo, têm sido cogitados para entrar na disputa, caso  seja confirmada nesta sexta pelo TRE. Candeias vai voltar a fervilhar com a política, a partir dessa decisão.

 

 

 

PERGUNTINHA

 

"Mecheu com a Educação, Mecheu com todos!". Não mexeu, como é o certo!  Você também ficou envergonhado com esse e muitos outros erros grosseiros de Português, em faixas no protesto de estudantes e professores, país afora?